Onde está sua carteirinha?

Qual a última vacina que tomou?

Tem alguma epidemia rolando solta por aí?

Se você não sabe responder a uma ou mais dessas perguntas, é melhor ficar atento. Por sua memória, muita coisa pode até passar em branco. Mas pela sua saúde, não.

Grave na lembrança ou os vírus podem agravar seu descuido

Esquecer coisas importantes, como as vacinas, pode ser pior do que se imagina. Afinal, com o passar do tempo, os vírus e outros microorganismos podem sofrer mutações e ficarem mais fortes – como são os casos da gripe Influenza, do sarampo, da tuberculose, entre outros.
Não é à toa que a OMS (Organização Mundial da Saúde) estabelece um calendário para a vacinação.

Contra esquecimento não tem vacina

A carteirinha é um documento essencial para acompanhar os cuidados com a saúde ao longo de toda a vida. Mas muitos preferem deixá-la de lado e, com isso, as vacinas acabam sendo esquecidas.

Confira os principais riscos que você e sua família correm sem imunização:

vacina contra o sarampo

SARAMPO

Doença antes considerada erradicada, em 2018 voltou a registrar surtos no Brasil: foram mais de 10 mil no país¹. E pior: cada esquecidinho pode infectar até 10 pessoas.

CONTÁGIO: Transmissão por espirro ou tosse.

PRINCIPAIS RISCOS: É altamente contagioso e tem alta taxa de mortalidade infantil.

SINTOMAS: Os sintomas se manifestam entre 10 e 14 dias após a exposição ao vírus e incluem coriza, tosse, infecção nos olhos, erupção cutânea e febre alta. 3 a cinco 5 dias após o início dos sintomas, as erupções cutâneas explodem, geralmente, como manchas vermelhas planas que aparecem no rosto e na linha do cabelo, e se espalhando para o pescoço, tronco, braços, pernas e pés.

VACINA: Crianças de 1 a 12 meses: uma dose da vacina Tríplice Viral;
Aos 15 meses: uma dose da vacina Tetra Viral;
Crianças não imunizadas até 5 anos: 2 doses da Tríplice Viral;
Dos 10 aos 19 anos: 2 doses, a depender da situação vacinal anterior;
Dos 20 aos 29 anos, se nunca vacinados: 2 doses;
Dos 30 aos 49 anos: 1 dose.

GRIPE

O vírus Influenza A, também conhecido como gripe, seja suína ou espanhola, e seu subtipo, H1N1, representam os maiores riscos. Em 2009, houve uma pandemia mundial com casos de gripe suína. Em 2018, no Brasil, foram registrados 18.478 casos.²

CONTÁGIO: Por tosse ou espirro de pessoas infectadas, além de contato com objetos contaminados.

PRINCIPAIS RISCOS: Crianças que convivem em ambientes fechados e bebês que não amamentam estão mais propensos.

SINTOMAS:³ Febre acima de 38 graus, dor muscular, de garganta, prostração, cefaleia e tosse seca. Além de sinais súbitos como calafrios, mal-estar, dor de garganta, diarreia, vômito, olhos avermelhados e lacrimejantes.

VACINA: Trivalente, oferecida periodicamente, sempre antecedendo o inverno no Brasil.

vacina contra o sarampo
vacina contra o sarampo

TUBERCULOSE

É altamente contagiosa. Em 2018, foram registrados 72,8 mil casos no país⁴, sendo mais de 4 mil mortes. Homens de 25 a 40 anos estão no grupo mais afetado.

CONTÁGIO: Transmissão direta por meio de tosse ou saliva (fala, beijo etc.).

PRINCIPAIS RISCOS: Cada tuberculoso pode infectar até 15 pessoas.

SINTOMAS: Tosse seca, secreção por mais de 3 semanas, evoluindo para tosse com pus ou sangue, cansaço excessivo, febre baixa geralmente no período da tarde, suor noturno, falta de apetite, emagrecimento acentuado e rouquidão.

VACINA: BCG, que é obrigatória para menores de 1 ano, mas pode ser administrada para crianças de até 4 anos e 11 meses.

POLIOMELITE

Segundo dados do Ministério da Saúde⁵, 312 municípios brasileiros estão com cobertura vacinal abaixo de 50%, algo muito aquém dos 95% de cobertura necessária. Crianças menores de 5 anos estão no principal grupo de risco.

CONTÁGIO: Via oral e por contato com água ou comida contaminadas.

PRINCIPAIS RISCOS: Em pouco tempo ataca os nervos musculares. Pode causar paralisia e até mesmo morte.

SINTOMAS: Febre, cansaço, vômito, dor de cabeça, pescoço enrijecido e dores nos braços ou pernas.

VACINA: Administrada em duas doses: VIP (Vacina Inativada Poliomielite) para crianças com 2, 4 e 6 meses de vida, com reforço entre 15 e 18 meses de vida e entre os 4 e 5 anos; VOP (Vacina Oral Poliomielite) aplicada aos 15 meses e aos 4 anos de idade.

vacina contra o sarampo
vacina contra o sarampo

DIFTERIA

Conhecida também como Crupe, é causada por uma bactéria que fica alojada nas amigdalas, laringe, faringe e nariz, ocasionando dificuldades de respiração e até morte. Segundo o Ministério da Saúde, a cobertura vacinal vem caindo nos últimos anos⁶, o que pode ser um perigo devido à migração de população vinda de países onde a doença não foi erradicada.

CONTÁGIO: Contato com salivas da tosse, espirro ou lesões na pele de pessoas infectadas.

PRINCIPAIS RISCOS: Dificuldades ou bloqueio total da respiração.

SINTOMAS: Manchas avermelhadas na pele, mal-estar, placas esbranquiçadas nas amigdalas ou, ainda, inchaço no pescoço, dificultando a respiração.

VACINA: Pentavalente (previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e meningite e infecções por HiB), aos 2, 4 e 6 meses de vida, com um reforço da DTP (difteria, tétano e coqueluche) aos 15 meses e outro reforço aos 4 anos.
Como não confere imunização definitiva, é necessário a Dupla Adulto DT (previne difteria e tétano) dos 10 aos 19 anos 11 meses e 29 dias, com reforço a cada 10 anos.

vacina contra o sarampo

DOSES DE INFORMAÇÃO:

VACINAÇÃO PARA GESTANTES

O Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Imunizações⁷, oferta quatro vacinas para gestantes: dTpa (difteria, tétano e coqueluche); dT (difteria e tétano); hepatite B e para gripe.

CRIE ANTICORPOS CONTRA O AZAR

É impossível não conviver com outras pessoas. Então, é melhor se prevenir contra os vírus que circulam em qualquer lugar. Proteja a si e à sua família com todas as vacinas necessárias. Carimbe seu passaporte e feche as portas para as doenças infectocontagiosas.

Ficou na dúvida? Lembre-se: não faz mal tomar novamente as mesmas vacinas.