Dia 27 de julho é o Dia Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho e essa data é muito importante, pois tem o objetivo de alertar sobre a importância de cumprir as normas de segurança que reduzem, desde doenças relacionadas ao trabalho, até acidentes graves.

Implementada em 1972, a data surge em um momento importante, justamente com leis que tornaram obrigatórios os serviços de medicina do trabalho e engenharia de segurança do trabalho em todas as empresas com mais de um trabalhador.

Porém, não são somente as empresas que devem cumprir com as obrigações, os trabalhadores também precisam conhecer as normas e entender como elas podem preservar a saúde e até mesmo suas vidas. Vem com a gente!

Acidentes de trabalho ainda são constantes

Há quem acredite que acidentes de trabalho são coisas do passado, mas, de acordo com o Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, elaborado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), de 2012 a 2020 foram registrados 21.467 acidentes fatais no Brasil.

Isso gera uma média de 6 óbitos a cada 100 mil vínculos de emprego no mercado formal — um número assustador. Para se ter uma ideia, o Brasil ocupa o segundo lugar entre os países do G-20 e das Américas quando se trata de mortalidade no trabalho.

A maior parte dos acidentes são ocasionados pela operação de máquinas e equipamentos que resultaram em amputações e lesões gravíssimas. O número indica que ainda temos um longo caminho a percorrer, seja por parte das empresas em assegurar as medidas de proteções coletivas, do governo em fiscalizar as políticas de prevenção e dos colaboradores de conhecerem e exigirem também as condições adequadas para a realização do trabalho.

A preocupação vai além dos acidentes graves

Não falamos somente de acidentes graves, uma vez que a prevenção também pode incluir problemas de saúde como LER (Lesão por Esforço Repetitivo), DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho), cegueira ou perda da visão, depressão, estresse ocupacional, síndrome de Burnout, pneumoconiose, entre outras.

Mesmo quem trabalha no escritório, precisa tomar cuidados com a ergonomia ou mesmo a saúde mental. De acordo com o Ministério da Saúde, desde o ano de 2020, quando começou a pandemia, os auxílios-doença por depressão, ansiedade, estresse e outros transtornos aumentaram em 30%.

É importante destacar, que a prevenção dos acidentes de trabalho é uma ação coletiva. Portanto, cada um de nós precisamos fazer a nossa parte, inclusive conhecer e seguir as normas de segurança à risca.

Faça a sua parte

Muitos acidentes e doenças ocupacionais podem ser prevenidos com a adequação do ambiente de trabalho e cumprimento das normas de segurança. Sendo assim, aqui vão algumas dicas importantes:

Se você trabalha em uma indústria, use o EPI (Equipamento de Proteção Individual) de acordo com a função exercida e conheça todas as instruções que forem transmitidas. Elas são para a sua segurança.

Já quem trabalha em escritório, precisa ficar atento à ergonomia, verificando a postura, posição dos pulsos e se os instrumentos de trabalho estão adequados para o seu conforto e saúde.

A prevenção de doenças também é uma preocupação da empresa

O afastamento e até aposentadoria dos colaboradores não é vantajoso para as empresas. Muitas vezes, pode-se perder um profissional qualificado, experiente e que veste a camisa por falta de atenção ao ambiente de trabalho.

Por isso, as empresas também precisam estar atentas a essas questões. Quando falamos de problemas emocionais, como a Síndrome de Burnout, por exemplo, é preciso investigar se existem problemas como metas irreais, práticas abusivas ou sobrecarga de serviços.

Realizar treinamentos constantes, acompanhamento médico e investimentos em medidas protetivas coletivas e individuais também são ações importantes.

Confira abaixo o vídeo que fizemos sobre o tema:

Gostou do artigo? Confira também essa campanha que fizemos o Guia Sagrado das Normas de Segurança do Trabalho!

Deixe seu comentário