O câncer de pele tem sintomas que podem ser percebidos visivelmente. E quanto antes tratar, maiores são as chances de cura.

O câncer de pele é, ano a ano, uma doença que tem milhares de casos evitáveis. Contudo, mesmo com todas as campanhas sobre a importância de se utilizar o protetor solar, a doença ainda tem 188 mil novos casos por ano, o que corresponde a 33% dos diagnósticos de câncer no Brasil.

Por isso, é sempre importante reforçar: o câncer de pele não é apenas uma doença de verão. O risco é contínuo até mesmo no inverno, já que sua causa está associada à incidência dos raios UV na pele desprotegida.

Câncer de pele: sintomas

As principais áreas da pele que podem sofrer câncer são as regiões das orelhas, pescoço e rosto que, naturalmente, sofrem mais impactos diretos dos raios ultravioleta.

Entre os principais sintomas do câncer de pele, estão:

  • Manchas que podem ser rosa, vermelha ou escura e crescem lentamente
  • Pintas que crescem devagar, mas coçam ou sangram
  • Sinais ou pintas que mudam de tamanho, cor ou forma
  • Feridas que não cicatrizam em até 4 semanas
  • Pintas ou manchas com diâmetro maior do que 5 mm.

Câncer de pele: cuidados

O principal risco do câncer de pele é a exposição excessiva e desprotegida aos raios solares, especialmente nos horários entre 10h e 16h.

Além de evitar esse período com maior incidência de raios UV, é preciso usar acessórios de proteção, como óculos de sol e chapéu com abas largas. Se for necessário sair nos horários mais quentes do dia, é recomendado o uso de roupas que cubram braços e pernas.

Confira também: Quais são os tipos de câncer de pele?

Filtro solar toda hora, o dia inteiro

A aplicação do filtro solar é indispensável – mesmo quando o dia está nublado. Ele deve ser aplicado de duas a três vezes ao longo do dia e seu fator de proteção deve ser, no mínimo, 30.

No caso das crianças, o cuidado deve ser redobrado, já que elas brincam e podem ficar desprotegidas mais rapidamente. A quantidade indicada de filtro solar é uma colher de chá por área do corpo. Não economize na proteção.

Câncer de pele: tratamento

O principal tipo de tratamento para o câncer de pele é a cirurgia, em especial quando há diagnóstico precoce da doença. Para casos em que o câncer de pele está avançado, outros tipos de terapias podem ser necessários.

Cirurgia para câncer de pele

É o principal tipo de procedimento para o câncer de pele. Podem ser realizadas com o uso do bisturi tradicional ou elétrico, podendo remover, além do câncer, um fragmento de pele ao redor da mancha.

Terapia fotodinâmica

É um método que utiliza luz intensa para sensibilizar a pele, destruindo células tumorais e causando menor dano aos tecidos que estão sadios.

Radioterapia

Pode ser utilizada para destruir células cancerosas, evitar que a doença volte ou aliviar as dores causadas pela metástase.

Imunoterapia

Pode ser realizada por meio do tratamento interferon, vacina BCG injetada diretamente no tumor, além de outros medicamentos.

Terapia-alvo

É um tipo de tratamento mais direcionado ao melanoma que apresenta alterações específicas.

Câncer de pele: evitar os sintomas é coisa de pele

O câncer de pele é o assunto da campanha Cuidado é Coisa de Pele, criada pela D’Or Consultoria para o Dezembro Laranja. Clique e confira!

Deixe seu comentário